quarta-feira, 19 de abril de 2017

Nada é por causa dela

NOTE a estrofe inicial da música "Virgem" cantada por Paula Toller:

"As coisas não precisam de você
Quem disse que eu tinha que precisar
As luzes brilham no Vidigal
E não precisam de você
Os dois irmãos também não precisam."

Interessante nas relações interpessoais o valor exagerado que damos ao ser humano.
Logicamente, somos humanos e devemos nos valorizar. Mas supervalorizar um ser em detrimento próprio e de outros é colocar-se num jugo perigoso e entregar-se a uma obsessão que pode ser perigosa.
Aquela moça ou aquele rapaz não eram ninguém, até que você o conheceu. Aí foi o sorriso, aí foi o olhar, ou foram as palavras bem postas, ou sabe-se lá que raio de Poesia a pessoa usou contra você e acontece.
Parece que tudo passa a depender da pessoa. E isso não é verdade. É simplesmente VOCÊ que quer depender da pessoa. E entenda direito: você é que quer depender e não que você precise depender.
Essa ideia fixa é perigosa porque passa a influenciar todos os aspectos de vida da pessoa. Pode prejudicar o trabalho, os estudos, os demais relacionamentos familiares e afetivos.
Deixar que uma pessoa seja única em sua vida é, desculpe a sinceridade, jogar com muito pouco. Um jogo arriscado e com chances grandes e reais de fracassar.
O jogo funciona bem assim: a pessoa não era nada, passa a ser a mais importante e você passa a fazer planos e projetos para o futuro. Um futuro que conta com a presença da pessoa que, muitas das vezes, sequer deseja participar.
Temos a tendência de achar que conseguimos mudar os pensamentos e os sentimentos de uma pessoa. Acredito que seja possível, mas acredito também que não é possível. É um jogo, eu disse, e também acrescentei que é arriscado. Há o risco de sofrer, entristecer, perder tempo.
Uma pessoa que não se importa verazmente com você é alguém que não merece seu pensamento menos importante, quiçá os planos de futuro.
Nesse ponto, há pessoas que se divertem com o sentimento alheio. Mantém em banho-maria o que você tem de mais belo a oferecer. 
Abra os olhos. Vire a mesa. Quem tem de sofrer é ele (a) e não você!
As coisas não precisam dessa pessoa para continuarem a existir, você também não!
A Lua não precisa ser alguém para continuar bela e controlando as ondas do oceano.
Não dependa de ninguém, além da pessoa mais importante do mundo: você mesma!