quinta-feira, 6 de abril de 2017

Pronto para a troca

Deparei-me com uma postagem no Facebook que me deixou intrigado e, sinceramente, fiquei um bom tempo sem saber como responder ou o que pensar.
A postagem era uma pergunta: "Trocaria uma pessoa que você ama, por uma que ama você?"
Essa pergunta nos coloca duas situações de mão única. Primeiro, apenas nós amamos. Na segunda, apenas somos amados.
As pessoas que consultei foram rápidas em responder que fariam a troca sem pestanejar.
Mas eu não consegui ter essa presteza em decidir-me. Ponderei muito e demoradamente sobre a situação.
Como poeta de uma escola literária romântica, minha formação pede que supervalorize o feminino, o amor, entre outras características.
Já mencionei em outras postagens que sou do grupo que gosta de cuidar a ser cuidado, a que denominei de síndrome de anjo da guarda. Posteriormente, descobri que se trata do Complexo de Wendy, que é justamente a extrema necessidade de satisfazer as necessidades dos outros.
Deste prisma, não pareceria impossível optar pela primeira opção, de ficar com quem amamos, mesmo que este não nos ame (e já tenha deixado claro que não virá a amar).
Sei que amor pode vir a ser em um coração que não ama. Mas é um salto muito arriscado no escuro.
Ainda pensei que seria muito egoísmo de minha parte se eu deixasse de querer cuidar e optar por ser cuidado.
Mas quer saber? No final de minhas ponderações sempre insisti em colocar a argumentação de que eu queria ser feliz.
E quanto de felicidade eu teria em amar alguém que não me ama, que me trata de acordo com seus interesses (isto é, bem quando convém). Uma pessoa que não demonstra se importar com seu bem estar, que fala coisas que o magoam, e que pratica atos para mantê-lo distante?
Prudentemente, temos de enxergar que a pessoa a quem só amamos tem seus próprios planos e muitas vezes não consegue mais ter sentimentos. Amar, somente a si mesma e procura apenas encontrar alento e conforto para si própria.
Foi então que decidi-me: será uma troca válida deixar quem eu amo (e não estou dizendo deixar de amar, que isto não é tarefa fácil) por aquela que me ama.
Acho que estou preparado, porque tentei.
Como na frase do filósofo Nietzsche: "Você tem que estar preparado para se queimar em sua própria chama: como se renovar sem primeiro se tornar cinza?"