quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Saiba lidar com poetas

Poeta não é aquele que escreve. Poeta é uma pessoa com um grave problema de sensibilidade à flor da pele. Seus sentimentos não conseguem ser escondidos. Se ele não fala, seus olhos gritam, ou seus gestos, ou sua feição.
O poeta sente demais e esta hipersensibilidade emocional e sentimental machuca.
Para explicar melhor: quando chove, ao poeta a chuva não é um som bom para ninar. A chuva é um sussurro, e fica repetindo uma frase, um nome, uma palavra.
Cuidar é uma palavra que está grifada e em maiúsculas no dicionário
dos poetas. Eles querem bem, fazem o bem, preocupam-se, elogiam despretensiosamente, acarinham com o olhar, sorriem quando olham para eles.
Poetas medem as palavras quando conversam, querem ser galantes, corteses, agradáveis. Não fazem isso para criar boa impressão, mas fazem porque sabem que isso deixa os outros felizes e faz bem às pessoas.
Ao ir dormir, um poeta fica pensando na pessoa que conheceu e de quem gostou.
Os poetas escrevem, ou pintam, ou compõem, ou esculpem, ou fazem qualquer coisa para tornar feliz as pessoas a quem gostam. Fazem por prazer, não por interesse.
E eles se alimentam de sorrisos e de boas palavras.
Assim sendo, para se lidar com um poeta, fica somente uma recomendação: não os tratem como um qualquer, com palavras ásperas e impensadas. Eles sentem e se machucam.
Um "você que sabe", um "tanto faz", um "tá". Ser áspero-monossilábico quando o poeta elogia é uma atitude covarde para com alguém que lida com você desarmado e sem maldade.
Só isso. A vida já faz o poeta sofrer por si só. Não precisa de sua contribuição. Trate bem os poetas, aqueles de sensibilidade aflorada. Eles agradecem, e o universo todo também.
E para pensar, fica um versinho de Fernando Pessoa:
"Não tenho ambições nem desejos.
ser poeta não é uma ambição minha.
É a minha maneira de estar sozinho".