terça-feira, 20 de setembro de 2016

Cuidado com o tamanho das pernas

Dizia Fernando Pessoa: "O esforço é grande e o homem é pequeno. Eu, Diogo Cão, navegador, deixei este padrão aos pés do areal moreno. E para diante naveguei".
O poeta retrata a coragem do navegante descobridor do Cabo da Boa Esperança, Diogo Cão.
Claro que grandes conquistas exigem gestos de bravura, atos de fé ao lutar e enfrentar o desconhecido.
Mas o que acontece com a maioria das pessoas não são atos de bravura. Elas fazem o que vulgarmente se chama de "dar o passo maior do que as pernas".
Longe de ser a coragem de um navegante, é a burrice de alguém que não mede as consequências de seus atos e que, por isso, aposta e perde todas as fichas, embrenhando-se em um lamaçal de problemas.
Então o cara mais ciumento vai se envolver com a mulher mais bonita, cobiçada e liberal da cidade. E arruma uma dor de cabeça gigantesca porque quer colocar cabresto em quem nasceu para ser livre.
É o caso também da pessoa que se aposenta e, ao pegar aquela grande quantia de dinheiro, não pensa duas vezes para comprar aquele carro com o qual sonhou a vida inteira, e acaba afundando em dívidas, porque depois não suporta pagar o IPVA e a manutenção do seu veículo.
Tem aquela do rapaz que começa a construir um castelo e o dinheiro acaba antes mesmo de erguer um bangalô para se esconder.
Ponderar, pesar, meditar são palavras que existem para serem praticadas.
Planejar é fundamental na sociedade atual. Meça suas pernas e veja a distância do passo que pode ser dado. Do contrário, a queda é certa (pelo menos um tropeço).
Não quero desanimar ninguém. O que mais me alegra é ver pessoas ser bem sucedidas porque descobriram que seu passo por ser maior se ele souber dar um pulo seguro. E com isso foi avançando e crescendo.
Medite, peça conselhos a quem venceu, imite exemplos de pessoas bem-sucedidas, ouça a voz dos experientes.
E é assim que diremos como Júlio César: "Veni, Vidi, Vici".

Obs.: Agradeço ao amigo Romeu Zampieri pela sugestão de pauta que gerou este texto! Valeu, amigão!



Um comentário: