domingo, 14 de agosto de 2016

O único rumo para quem está no fundo do poço

Na canção "A Via Láctea", do grupo Legião Urbana, o poeta Renato Russo cantou assim: "eu não sei por que me sinto assim. Vem, de repente, um anjo triste perto de mim".
Achei esta uma bela descrição da depressão. Renato tinha e muitas pessoas se veem às voltas com este mal que chega sorrateiramente, como um anjo triste, e fica indo e voltando.
Mas uma frase interessante que costumo usar é que "quando estamos no fundo do poço, o único rumo que nos resta é para cima".
E não é? Para baixo não é possível, posto que já é o fundo. Para os lados ou para a frente também é difícil, pois o poço é estreito e sem opções. Então, o que há de opção é olhar para cima e subir de alguma forma.
A depressão é debilitante, deixa-nos inertes, sem expectativas, sem alvos, sem norte.
Realmente, a depressão é o fundo do poço.
Na mesma música, Renato cantou que "quando chegar a noite, cada estrela parecerá uma lágrima". E quantas são as lágrimas que derrama alguém deprimido (pior ainda quando a pessoa não consegue chorar).
Mas pense nisso, há um rumo. E o único rumo é para cima.
Encare tudo o que acontece de ruim não como castigo divino, pois definitivamente não é!
Chame de "oportunidade".
E nos momentos de tristeza, de entrega, quando seu único refúgio é na cama... tente encontrar algo de que você realmente goste e é capaz de fazer bem.
Acredite em mim: existe, e você consegue consegue encontrar.
Depois disso, é preciso a entrega. Substitua a entrega para a depressão pela entrega por um sonho.
Subir... eis o único destino de quem está no fundo. É possível.